Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Bruce Springsteen - Human Touch

por Isabel Paulos, em 23.07.20

A ciência da treta

por Isabel Paulos, em 23.07.20

bullshit.jpg

Registo que agora quando alguém tem um discurso ou prática criminosa ou tão só não condicente com a cartilha dominante fica, de imediato, sob o libelo da doença ou perturbação mental. Hoje são as donas dos canis, há um par de anos uma dirigente de extrema-direita, são os presidentes de dois países das Américas, os militares, as polícias, os pais, professores mais duros ou qualquer pessoa que seja reaccionária ou simplesmente severa.

Nalguns casos há razões válidas e há epítetos bem aplicados, mas em muitas outras não. E é um perigo dar aparente cientificidade ao puro enxovalho popular, através de testemunhos de psicólogos que não fazem mais do que colorir de linguagem técnica a doutrinação ideológica. Vejo pseudo-notícias ou reportagens, notoriamente encomendadas, com avaliações psicológicas que só não se dão ao trabalho de se debruçar sobre o carácter tóxico dos participantes das marchas de justiça popular das unhas de gel berrantes ou da pichagem.

O resultado prático destas balelas é não discutir o que realmente interessa, não perceber a causa das coisas e tão simplesmente fazer o mais fácil: rotular arbitrariamente e em função das modas e apetites ideológicos momentâneos.

E estamos nisto: no psico-jornalismo ideológico.

Passear

por Isabel Paulos, em 22.07.20

Moxico.png

Luena.pngVamos a Luena (Luso)?

*

Nos cerca de dez anos de estada em Angola, os meus pais viveram, cada um por si ou juntos, em Cabinda, Malanje, Negage, Uíge(Carmona), Luena (Luso), N’dalatando (Salazar) e Luanda.

Entre outros destinos, viajaram entre Sumbe (Novo Redondo), Lobito, Benguela, Bié, Huambo (Nova Lisboa), Luau (Teixeira de Sousa), Huíla (Sá da Bandeira) e Moçâmedes.

E ainda tiveram tempo para ter quatro filhos, um de cada cidade: Lisboa, Carmona, Luso e Salazar.

LEONARD COHEN - GOING HOME

por Isabel Paulos, em 21.07.20

Só ao encontrarmo-nos do lado de fora nos vemos inteiros.

Boa noite.

4L

por Isabel Paulos, em 21.07.20

IMG_20200721_135539.jpgO que hoje me fez sorrir no caminho para o trabalho. Regressar à mais tenra infância.

Colinho

por Isabel Paulos, em 21.07.20

sem nome.png

Ter mau feitio dá para isto. Para me encanitar com algumas situações e pessoas. A mais recente urticária é com a aparição diária de Fernando Medina nos jornais. Se repararem todos os dias o menino aparece como Nossa Senhora de Fátima aos pastorinhos, que somos quase todos nós prontos a levar com o quotidiano estado de espírito do Presidente da Câmara de Lisboa. Hoje é para se congratular com o acordo de Bruxelas e gracejar sobre os forretas. Noutros dias é para defender o Governo ou a acção do município e mais um vislumbrar de grandes oportunidades na Covid-19, agora em sede de habitação. Ou para apelar a que se despachem com a decisão sobre o aeroporto do Montijo, ou se atirar às más chefias no combate à pandemia.

Todas as oportunidades de figurar são aproveitadas. Pois que o menino estudou o bê à bá da esgrima política e segue a cartilha ipsis verbis. Sem um desalinho, com vocação e disciplina digna de escuteiro. E com a ajuda dos jornais vai impor a sua agenda: o cânone do politicamente correcto. Até porque tendo sido baptizado, no ano passado, no Bilderberg acha que as suas aspirações são mais do que legítimas. E, por ele, daqui a uns anos Portugal estará transformado no recreio de berçário com as ruas e estradas cor-de-rosa para as meninas, azulinhas para os meninos e verdinhas para os assim-assim. E nós estaremos todos a dizer gugu dá dá.

Está para chegar o dia em que os jornais levem ao colo um futuro líder nacional que defenda ideias de responsabilidade na cidadania e de efectiva racionalização na utilização dos recursos financeiros (além dos naturais). Gente que diga coisas desagradáveis, mas que ajude a fazer do País uma Nação decente e mais autónoma. Bem, pensando melhor, tenho uma vaga memória do Diário de Notícias ter feito este papel no passado com Pedro Passos Coelho. De facto defendia algumas ideias certas e era desagradável q.b., pena que trouxesse atrelada gente oportunista e gente capaz de debitar de cor teorias económicas sem conhecer nem querer conhecer a realidade do País, por não ter um pingo de sensibilidade social.

*

Nota. Para que não pensem que só sei dizer mal. Ontem gostei da peça que a SIC mostrou no Jornal da Noite sobre o estado de avanço na procura de vacinas para a Covid-19.

The Hunt For Red October

por Isabel Paulos, em 21.07.20

 

Stalkers à portuguesa

por Isabel Paulos, em 20.07.20

máscara.jpg

Em certas situações os portugueses são verdadeiramente pífios. Abrimos as páginas sobre bisbilhotices dos famosos e vemos beldades de Hollywood a queixarem-se de ser perseguidas por fãs. Malucos obsessivos anónimos que são inoportunos, vasculham as suas vidas, quebram a reserva da intimidade, chegando a ser agressivos.

E, em Portugal, o que se passa?

Por cá, ora são personalidades públicas desinteressantes, que debaixo da máscara do anonimato virtual, usam e abusam em proveito próprio da confiança dos transeuntes das vias online. Ora são anónimos e anónimas sem um pingo de glamour a queixarem-se - numa tentativa ridícula de se enaltecer -, de alegados stalkers.

*

Boa semana.

Saurimo - Luena

por Isabel Paulos, em 20.07.20

 

Está difícil arranjar um bom vídeo sobre Moxico e Luena (Luso). A ver vamos se nos próximos dias consigo.

Passear

por Isabel Paulos, em 20.07.20

LundaSul.png

Saurimo.pngVamos a Saurimo (Henrique de Carvalho)?

Absurdos

por Isabel Paulos, em 19.07.20

absurd.jpg

Depois de semanas de uso do termo ‘isolamento social’ temos a novidade da ‘ordem de confinamento voluntário’ em Espanha. E, pelo caminho, ontem ouvi um repórter (cuja voz conheço há anos na televisão) a usar a expressão ‘regra dos três simples’. Levantei a orelha como os cães, encantada por ouvir um jornalista referir-se à dita. Pena que tenha desenvolvido a ideia como sendo uma simples soma de três parcelas. Chego à conclusão que, afinal, a outra é a regra dos três complicados.

Só vos digo uma coisa: o mundo está bom é para os humoristas.

Degelo da distância

por Isabel Paulos, em 19.07.20

Foto 1 - Estalactites.jpg

Ignora a estranheza e a presunção. Desvaloriza cómodas sentenças. Não sabem do que falam. A aparência é como um círculo vicioso e falacioso. Demoraria uma infinidade de vidas a explicar o que és e que és como eles. Não se chega a ninguém pela razão; é um esforço em vão. Só a emoção é capaz de fazer a ponte entre seres humanos anulando o infundado preconceito.

Por importante que seja, não se faz o degelo da distância pelo raciocínio lógico, mas pela empatia.

Mercado da Alegria

por Isabel Paulos, em 19.07.20

Aos Domingos, no Jardim do Passeio Alegre.

VistaGeralMercadoDaAlegria.jpg

CarteirasPano&Vistageral.jpg

Compotas&vistageral.jpg

Chás&Especiarias1.jpg

Chás&Especiarias.jpg

Cactos.jpg

 Trouxe um cacto de recordação e já o mudei para um vaso maior para que cresça.

Kenyan Boys Choir in Ottawa

por Isabel Paulos, em 19.07.20

Kenyan Boys Choir - Homeless

por Isabel Paulos, em 19.07.20

Ciência

por Isabel Paulos, em 18.07.20

ciência.jpg

Depois de umas leituras na diagonal por essa internet fora, hoje antes de dormir vou, como em criança pequena, rezar uma oração. Em agradecimento por estar bem, sobretudo do juízo.

Ao retroceder uma quinzena de anos percebo o dano e o ridículo de viver com falta de discernimento. Lembro-me das teses sobre a gripe das aves e tudo quanto estava associado. Na altura vivemos uma espécie de amostra do que agora se regista com a covid-19. Como nessa altura, verifico que mundo está cheio de lunáticos (por tratar), de teorias da conspiração e outras balelas. Gente, às vezes, com vidas e profissões respeitáveis e não só cheia de vontade de tirar conclusões e ilações instantâneas, como pronta a impingi-las. Gente a quem o chão foge se não tiver apenas certezas e se não puder convencer os outros das suas intensas verdades momentâneas. Gente que não sabe conviver com o imprevisto, a natureza e as suas leis.

Desta vez terei o cuidado – se o juízo me continuar a permitir – de não ser susceptível nem permeável à histeria do ‘eu vi primeiro’ e ‘eu é que sei’. Fico apenas na esperança de assistir ao fim da história e para isso conto apenas com o conhecimento discreto de quem dedica a vida à real e credível ciência e, de facto, pode ajudar a compreender o que se vai passando. A questão é como chegar a este conhecimento no meio de tanto lixo e ruído.

All Quiet On The Western Front Ending

por Isabel Paulos, em 18.07.20

Das boot - Klaus Doldinger

por Isabel Paulos, em 18.07.20

Irritações

por Isabel Paulos, em 17.07.20

angry.png

À espera de ataques apinhados de pontos de exclamação e reticências de gente muito ofendida com a minha mania - no lugar dos sensíveis atiraria já com um ‘possidónia’ -, revelo a minha segunda irritação: ‘falar para’ em vez de ‘falar com’ é das coisas mais rascas que leio e oiço.

Aprendam: é assim que se ganha amigos a rodos. 

Direitos e deveres cívicos

por Isabel Paulos, em 17.07.20

sem nome.png

Óptimo slogan para os tempos que correm: defendam-se os direitos e os deveres fundamentais em tempos de tentação para punhos autoritários.





Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D