Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ao todo só se chega pelo coração

por Isabel Paulos, em 01.07.22

Que tal falar da diferença entre criar, debitar e destruir? Se para alguns é difícil lidar com o acto de criação, apesar de forma regular e sem pensar se encontrarem em modo de dádiva, outros gostam mais de oscilar entre debitar e destruir. Uma espécie de pré-cozinhado de opinião, humor e escrita. Não se julgue que é tarefa fácil. Há-que saber escolher a massa sobre a qual estender o creme de desdém e sobranceria pela humanidade. Há-que ser tendencialmente desonesto, disciplinado e perseverante no menosprezo. Há muitos anos, oiço e leio outros. Apesar da consciência me impôr a noção de todos sermos uma miscelânea e de prevalecerem as zonas cinzentas, não posso deixar de verificar que lado a lado de gente de valor, uma chusma de oportunistas de fraca cabeça e coração, incapaz de gerar uma ideia original apesar de pródiga na produção de conversa e texto, alterna entre a redacção sobre a vaca, em idade que esta a deveria envergonhar (mas com os acentos e as vírgulas colocadas nos sítios certos), e o inventário de sapiência a espelhar o desprezo estereotipado pelos que consideram inferiores. Duas formas de se alçar ao reconhecimento alheio. Inverte-se a regra da nobreza de carácter: calca-se quem está em baixo (económica, social ou intelectualmente ou por qualquer circunstância momentânea) para obter o respeito de quem está acima.

Há uma lista de ditos, juízos e gostos que serve de cola à elite fajuta que nos caiu em sorte. E de cânones estudados para serem usados como ferramenta de afirmação sem a preocupação de perceber a causa das coisas. Servem apenas de espécie de senha de entrada nesse mundo previsível e fracativo (credo, a palavra não existe). Os utilizadores replicam-nos por mimetismo, sem um átomo de inovação, apesar de poderem desenvolver ideias ancoradas em factos infindos, até de arriscarem a criação vasculhando as notícias e originalidades entre o que é dito por quem cria. Replicam-se, desdobrando opiniões e julgamentos aparentemente diversos e fundamentados por acção da fragmentação das razões que conduz a argumentação ao infinito. Fazem-no como forma de se distinguirem do vulgar e ignorante resto da humanidade, sem perceberem que colaram a cuspe, sem os questionar como um todo, cada um desses gracejos e apreciações em voga na voz dominante fabricada pelas elites.

(Ainda em modo de alheamento da actualidade. Bem bom.)






Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D