Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Brumas

por Isabel Paulos, em 19.01.21

*

Há dias em que é difícil escolher o que pensar: entre o que é e o que cada um de nós constrói acerca do que é vai uma eternidade. Resta pano para as mangas da imaginação e para equívocos e mal-entendidos. Uns dão mau resultado outros bom, a maioria fica naquela enorme sombra entre o nada e coisa nenhuma. Não é razoável a cada instante bater no ombro do outro e perguntar: desculpe, mas quando disse aquilo estava a pensar exactamente em quê? Quando usou aquela palavra era neste sentido ou noutro? Nem nos podemos corrigir a todo o momento: não não, não foi isso que quis dizer, mas aquilo. A maturidade e a inteligência educam-nos nos subentendidos. Os ingleses são exímios. Suponho que os portugueses se saiam melhor nos trocadilhos, o que não é exactamente a mesma coisa.

Se a realidade se mantivesse quieta por instantes e os sinais dos demais não se esfumassem em inícios de madrugada de neblina baixa. Pudesse eu saber o que pensar. Reparo que é quase voluntária esta inquietude (será hábito ou vício?), caso contrário teria insónias. Mas não, nos últimos anos ao deitar-me durmo quase logo. E acordo na manhã seguinte pronta a tentar decifrar mais brumas. Pronta a agigantar a imaginação e as ambiguidades.

 



Mais sobre mim

foto do autor




Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D