Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Contas & Intimidades

por Isabel Paulos, em 23.04.21

Porto-Gaia.JPG

Tema em que perco algum tempo: casas.

A primeira casa que comprei era uma caixa de fósforos num terceiro andar sem elevador, em Gaia. Recorri a crédito habitação, que liquidei quando a vendi. Depois adquiri a segunda casa, em Lordelo do Ouro, no Porto, numa altura em que ganhava quase o dobro do salário de hoje, com recurso a crédito para 55% do valor, numa época em que os preços dos imóveis estavam em baixo. A prestação rondava 15% do salário. Considero obscenos os preços do imobiliário em Portugal face aos salários praticados e acho imprudente a taxa de esforço de 35%, nunca tendo tido um empréstimo habitação acima de 20% dos rendimentos (de trabalho, naturalmente) nem lançado mão da fiança, apesar de ter comprado os dois primeiros apartamentos sozinha. No início de 2018, aproveitei os preços estarem em alta e vendi o apartamento (qual Robles, mas sem arrendatários lá dentro e sem esticar a corda do valor, tendo aceite uma proposta logo na primeira semana de anúncio) com um ganho de cerca de 55%, o que me permitiu liquidar o empréstimo e ainda ter um pequeno proveito extra (uma vez que já havia amortizado parte). Em seguida, com esses ganhos comprei em compropriedade 50% do apartamento onde estou agora, na freguesia também cara de Cedofeita, mas numa zona mais modesta e num prédio dos anos 60. Livrei-me do crédito habitação.

Como eu, ou em situação semelhante, há centenas de milhares de portugueses. Nas palavras da luminária que nos governou entre 2005 e 2011 somos crianças - bem sei que se referia a dívida pública, mas já vimos que geriu o país como as suas finanças pessoais. Não haja dúvida que nos tem custado continuar a ser infantilizados aos 20, 40, 60 ou 80 anos assistindo à cena triste de ver conterrâneos batendo no peito em defesa das injustiças e más palavras dirigidas ao antigo Primeiro-ministro.

A isto não se chama inveja nem espírito justiceiro, mas mínimo de decoro. A menos que valha tudo e não tenhamos um pingo de respeito por nós próprios e pelo esforço na vida. E bem sei que os assuntos dívida pública, país e Sócrates não são temas no dia do livro, mas convém recordar que para adquirir livros é preciso dinheiro e disponibilidade mental, tantas vezes ocupada com problemas mais prosaicos a resolver. Dinheiro e literacia financeira, esses assuntos sujos que em Portugal poucos gostam de falar ou sobre os quais e entre intelectuais se fala com desprezo e desconsideração, misturando factos e falsidades como pretexto para tudo continuar na mesma: pouco transparente, pouco compreensível, num eterno enredo de país com atraso sistémico, que dá pano para mangas a infindáveis debates de ideias sobre o sexo dos anjos. Nada a estranhar num país com uma das maiores dívidas públicas do mundo e que gosta de se rir e desdenhar das regras e sovinice nórdica, considerando-as desprezíveis face ao despojamento luso. Também acho lindo o despojamento, mas à própria custa e não à custa dos outros. Caso contrário, não é despojamento, mas desfaçatez.

Face ao mercado, quando ponho a hipótese de me dar o gosto de ter uma casa melhor (um devaneio porque a casa onde estou é boa), em vez de gerir a dívida futura, pondero mudar-me novamente para Gaia, onde os preços são substancialmente mais baixos. Vidas de criança.

Preço m2 - Porto.JPG

Preço m2 - Gaia.JPG

Imagens daqui: Idealista.






Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D