Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Da brecha

por Isabel Paulos, em 26.01.20

sem nome

Julgo conhecer bem e perceber o argumento conservador e retrógrado de não se poder abrir a brecha, sob pena de não mais suster a força da reivindicação. É a lógica da firmeza e irredutibilidade usada em certos discursos. O que me ocorre ao ouvir esse argumento é a imagem da barragem, a constatação de que não há mal que sempre dure nem bem que não se acabe e a interrogação do que é o bem.

A constatação de que a barragem com todas as comportas cerradas conduzirá a que o leito do rio fique repleto e penetre nas terras adjacentes ao longo do percurso e, por fim, galgue a própria barragem engolindo tudo quanto encontra a jusante.

A contestação da leviandade da ideia de que o futuro é sempre melhor do que o presente e este sempre melhor do que o passado; de que o mundo tem sido um contínuo de avanços civilizacionais, quando o facto é que corre em soluços de avanços e retrocessos.

A dúvida se o bem que se quer proteger é a justiça no acesso lícito de todos ao conforto material e liberdade ou a manutenção de privilégios de poucos.






Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D