Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O país do cavalo à porta do prédio

por Isabel Paulos, em 18.09.21

Em miúda junto à Escola Industrial de Gaia havia – julgo que ainda há – um bairro social ocupado parcialmente por ciganos. Recordo sempre dos cavalos perto das portas de entrada dos prédios.

É muito difícil largar hábitos enraizados, modos de vida com séculos de história, para aderir à moderna vida citadina.

Vem isto a propósito do paradoxo das críticas avulso à incompetência e falta de seriedade das entidades públicas, dos governantes e de todos quantos administram a coisa pública, seguidas de absoluta inconsequência quando se desce ao concreto e se desculpabiliza sistematicamente os erros, ao mesmo tempo que se despreza os que denunciam genérica ou particularmente incompetências ou comportamentos incivis dos concidadãos.

Como condenar a corrupção se parte dos portugueses vive e convive de aparências e da pequena corrupção? A fugir aos impostos, a enganar seguradoras, a pagar luvas, a furar filas etc.

No fundo, grande parte dos portugueses – incluindo aqueles que vivem da trapaça, a reivindicar benesses e na pedinchice – não gostam de ser confrontados com a verdade. Sentem-se melindrados – é deles que se fala.

Se o carro está em cima da linha amarela à porta do supermercado precisamente no local de uma paragem de autocarro, temos de ser compreensivos porque são só cinco minutos, ou porque está a chover ou na viatura segue uma pessoa com deficiência, ainda que trinta metros adiante haja uma entrada para o parque coberto gratuito às moscas, inclusive nos lugares para deficientes.

Muitos portugueses que balem slogans das bandeirinhas identitárias e reproduzem inanidades conflituosas (instigadas pelas televisões) contra a falta de educação dos seus conterrâneos nas conversas familiares, com colegas de trabalho ou amigos, ignoram ostensivamente a existência de pessoas com notória deficiência pacificamente e em silêncio atrás de si, na fila a eles destinada.

Muitos portugueses instruídos seja no ensino público gratuito seja em colégios privados, bem vestidos e de mãos bem cuidadas assentes no volante, não só não resistem como têm o hábito – tal como os seus conterrâneos pouco letrados vestidos de fato-treino, leggins e unhas de gel – de se atirarem para outras faixas de rodagem nas estradas e auto-estradas, sem assinalar, atentar no perigo ou tão simplesmente no prejuízo para os outros que conduzem na via, obrigando-os a travagens ou desvios bruscos para evitar acidentes.

Muitos cidadãos cheios de moralidade e muito pios, que alegadamente dedicam parte da vida na ajuda ao próximo, são exímios em passar à frente em listas de espera, nomeadamente, para a vacinação contra a Covid-19. Tal como muitos cidadãos que costumam falar seja em decência seja em desigualdades, têm extrema predisposição para invocarem a excepcionalidade do seu caso no atendimento prioritário.

E por aí adiante. Às tantas devia deixar-me ficar a ver casas.






Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

14 Agosto 2014