Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




PSD & Rui Rio

por Isabel Paulos, em 09.02.20

psd

O centro implodiu? Certo. Então, tem que se refazer. A questão certa é como ser capaz de congregar as preocupações de quem não se revê no antigo e degenerado centro. É exactamente aí que a mudança tem de ser feita, em vez da rendição à aparência de radical de direita ou de esquerda, porque os eleitores são muito menos tontos do que se acha.

Faria todo o sentido, em vez das constantes espirais de ridiculização de radicais e populistas – que dão óptimas rábulas humorísticas mas têm efeito nulo em política -, perceber que aspirações satisfazem para atrair eleitorado descontente. E, sendo justas, fazer as devidas concessões sem pudores. Por exemplo, na área do trabalho as injustiças são mais do que muitas e muito há a fazer, sem o preconceito de ir beber ao ideário comunista legítimas reivindicações. Na área da economia só o travão dos liberais ao estrangulamento do mercado pela dependência do Estado ajudaria a amadurecer a iniciativa privada, a deixar de favorecer o Estado como central de emprego e regalias, e à racionalização do papel de redistribuição da riqueza, para por cobro à dependência dos subsídios.

Ao contrário do que se diz, as pessoas que se fartaram do centro e, por isso, votam em radicais, não se indignam contra a liberdade ou respeito pelo Estado de Direito, mas sim contra os interesses instalados, a corrupção, a injustiça e desigualdade no acesso e redistribuição da riqueza. Legitimamente fartaram-se de serem comidas por lorpas. E querem ver mudança. Então, mude-se para melhor o centro, que bem precisa. E esvazie-se o espaço para radicais.

A política está além da sofisticação da análise e dos grandes prognósticos. Às vezes o que está certo e dá resultado no futuro é (simplesmente) o que está certo, contra todos os vaticínios. RR - ou outro que queira vir a ser primeiro-ministro - não tem que sair do centro para agradar à direita, dando aparência apetecível a esse eleitorado. Tem que mudar o centro com ideias e políticas correctas e justas para satisfazer legítimas aspirações dos concidadãos que querem mudança para melhor nas suas vidas.

*

O problema do PSD foi o mesmo do CDS, a impossibilidade ou vergonha de se ser afirmativamente de direita no País que a história recente marcou como certo o lado esquerdo da barricada. Foi extraordinariamente difícil às hostes de direita afirmarem-se abertamente, sob pena de serem fustigadas com impropérios pela opinião influente.

Depois de tantos anos de relativo silêncio – com a ténue excepção dos anos dourados do cavaquismo onde a direita se descobriu após as facilidades de acesso ao crédito e a vida melhorada – e, agora, com a vaga dos populismos de direita europeia, seria natural que a nossa direita pusesse os corninhos o sol e ganhasse protagonismo. Mas, por cá, nem assim. Por não haver viabilidade prática para uma direita não populista. Ou seja, à direita o Chega tem por onde crescer, o CDS sem um Paulo Portas nem por isso e o PSD só terá a perder.

Supondo a hipótese de haver significativa massa silenciosa que acredite em contas verdadeiramente certas e transparentes, no escrutínio das instituições, na isenção e celeridade da justiça, na ascensão por mérito, na igualdade de oportunidades, na justiça salarial, na garantia de segurança dos cidadãos, na manutenção do serviço nacional de saúde universal e eficaz, etc. (porque estas são as questão que interessam ao comum cidadão), a questão que se colocará a seguir é saber o que levará alguém a votar no PSD e não no PS (ou no CDS ou no Chega).

Dir-se-á que o PSD estará mais à direita se defender uma economia livre, mas será isso impeditivo de ao mesmo tempo defender uma maior justiça salarial? É isso que invalida votos no PSD? Só por ser bandeira de esquerda? A maioria do eleitorado deixa de votar no PSD por esta razão. A esquerda tem o monopólio da defesa e justiça dos direitos dos trabalhadores? Ou seja, para quê encostar o PSD à direita se o espaço do centro é o terreno natural deste partido?

A menos que as ideias não interessem nada e na política dos nossos dias valha apenas a aparência. Se for esse o caso, então, RR que se diga de direita populista desde pequenino, que minta tudo quanto pode e depois actue em consciência e em desconformidade com o que apregoou.

*

Ainda que as políticas a defender não tenham que estar entrincheiradas – aliás, não devem -, a geometria ideológica ajuda muito a reconhecer o ponto de partida das posições e por muito que não se goste ou ache primária a dicotomia esquerda/direita ela subsiste e explica muito.





Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D