Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ser

por Isabel Paulos, em 23.07.20

sem nome.png

Houve tempos em que a vida coube num quarto. A mesinha cabeceira, o guarda-vestidos e o baú de plástico, repleto de papéis escritos, debaixo da cama. De repente, o caos. Vinte anos de desabafos em tiras finas saídas da tesoura para o contentor do lixo. Sem arrependimento. É preciso tão pouco para viver. E com pouco apeteceu recomeçar.

Mais uns tantos decorreram e na vida mais cheia, se ainda vale o alívio de retomar, nunca falha o eterno cansaço da falta. Nunca nada é suficiente. Nada é bom o suficiente. E nunca o bom chegará. Nada vale a pena e a mão que escreve, senão ao sentir a tentação recorrente do peso da renúncia.

22/07/20





Dose recomendada

Accuradio


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D